terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Eu te liguei , e esperei ouvi tua voz descompensada ao perceber que a ligação era minha.
Foi algo como : - alô ? ; você que esta lendo , percebeu o que isso causou em mim ?
Foi um , alô , que suou como um : - Certeza ? É você me ligando ?
Sim era eu , deixando o bom e velho orgulho , só pra poder matar a saudades da tua voz , mesmo descompensada , mesmo desentendida , mais era um sinal , que você ainda estava ali , pra fazer meu coração palpitar , e fazer o sorriso surgir naturalmente dos meus lábios.
Eu queria apenas ter desligado depois , e me largar enfim de você , mais não , eu tive que te perguntar : - Bem ? e te ouvir responder , - Sim muito bem e você ? ; Quis gritar e dizer – não , nada bem , sua falta esta me corroendo , a saudades está me matando , mais o orgulho não vai embora , ele não faz o que você fez , ela não me deixa ... Enfim respondi : - Tão bem quanto você ... Parecia conversa de dois desconhecidos ,  ou conversar de dois amantes  escondendo os verdadeiros sentimentos .
Mais , seja lá o que tenha sido , era eu e você , novamente .
Mais, seja lá o que tenha sido , aquilo me embaraçou, me desequilibrou.
Um : - era só isso ... , saiu da minha boca , pondo fim a “conversa” de agora tenho certeza , dois amantes se escondendo ..
Um : - então tá bem , partiu de você ...
 Deixando tudo vivo aqui dentro de mim , me fez desligar o telefone , me prometendo não me deixar levar outra vez por impulsos emotivos que só tomam conta de mim quando eu menos preciso .
Isso , você me desestrutura quando eu menos preciso !
(Elline Fortaleza)

Nenhum comentário:

Postar um comentário