domingo, 2 de outubro de 2011

Eu me sinto às vezes tão frágil. Queria me debruçar em alguém, em alguma coisa. Alguma segurança. Invento estorinhas para mim mesmo, o tempo todo, me conformo, me dou força. Mas a sensação de estar sozinho não me larga. Algumas paranoias, mas nada de grave. O que incomoda é esta fragilidade, essa aceitação, esse contentar-se com quase nada. Estou todo sensível, as coisas me comovem.


(Caio Fernando Abreu)

Nenhum comentário:

Postar um comentário